Arte, Ciência e Fé: o Tratamento dos Enfermos no Mosteiro de Tibães nos Séculos XVIII/XIX

Duarte Araújo, Ana Paula Araújo

Resumo


Dada a reconhecida importância histórica da medicina monástica e da farmácia conventual, foi estudada a botica do Mosteiro de S. Martinho de Tibães, em Braga, sobretudo através do estudo de dois códices manuscritos do século XVIII, designados como Livro da Enfermaria do Mosteiro de Tibães. Foram estudados os meios de tratamento, como frequência de termas, banhos de mar, sangrias e medicamentos de origem vegetal, animal, mineral e química, bem como as principais doenças e o modo como os doentes eram tratados. Os autores concluem que os cuidados de saúde eram muito diversificados e envolviam já muitos conhecimentos médicos e farmacêuticos, e que o presente estudo abre uma janela histórica para a perceção da arte de curar nos séculos XVIII e XIX.

Palavras-chave


Mosteiro de S. Martinho de Tibães, enfermaria, arte de curar

Texto Completo:

PDF

Referências


Matoso J . Beneditinos I, Idade Média. In: Carlos Azevedo, Dicionário de História Religiosa de Portugal. Lisboa: Circulo de Leitores; 2000, Vol. A-C.

A.D.B. Conv. e Most. Livro da Enfermaria do Mosteiro de Tibães 471.

A. D. B. Conv. e Most. Livro da Enfermaria do Mosteiro de Tibães 472.

Bluteau. R. Vocabullario Portugez e latino, aulico, anatómico, architectonico. Coimbra: Collegio das Artes da Companhia de Jesus; 1712-1728.

Sousa AT, Dionysio AM. Elementos de Farmacologia Geral e Especial. Coimbra: ed. Arménio Amado; 1933. Trendelenburg P. Bases de Terapêutica Medicamentosa. Trad. e adpt. Port. por Sílvio Rebello. Lisboa: ed. J. Rodrigues e Lª.1927.

David de Morais JA. “Artigos Originais” – Breves nótulas médico-antropológicas sobre o tratamento vernáculo do “cobro” (herpes Zóster) no Alentejo. Disponível em: http//www.spmi.pt/revista/vol12/vol12-n2-2005-056-062.pdf.

Aris A. A Medicina na Pintura. Lisboa: Chaves Ferreira–Publicações S.A. 2002.

Martins RP. State Of Art em Reumatologia: Algumas Notas Históricas. Acta Med Port. 1989; Supl. 2: 47-55.

Vigier J. Thesouro Apollineo, Galenico, Chimico, Chirurgico, Pharmaceutico ou compêndio de remédios para ricos e pobres. Vol.1. Lisboa: Off. de Miguel Rodrigues.1745.

Goff J. As Doenças têm história. Lisboa: Terramar.1997.

IX Concurso de Verão de ICEA (2007): Mar, Farmácia e Medicamentos, Algumas notas de interesse histórico – farmacêutico. Disponível em: www.icea.pt/ActasiX/João_Rui_Pita.pdf

Smith R. Os banhos de mar, na Póvoa de Varzim, no Século XVIII. Póvoa de Varzim: Boletim Cultural. Póvoa de Varzim: Camara Municipal:1965; IV(2): 239-244.

Afonso MB. As boticas da Congregação de S. Bento de Portugal. Porto: Inédito. 1991.

Guia Termal da Associação Nacional dos Industriais de Águas Miner-Medicinais e de Mesa. Termas de Portugal. Lisboa: ed. ANIAMM.1984.

. A.D.B. Congregação de São Bento. Actas Capitulares, livro 320-A, 1816. Fl. 58v.

Silva ACC. Inventário de uma Botica Conventual do séc. XVIII. Porto: Universidade do Porto.1972.

Araújo MB. O Conhecimento Empírico dos Fármacos nos Séculos XVII e XVIII. Lisboa: ed. Cosmos.1992.

Trendelenburg P. Bases de Terapêutica Medicamentosa. Trad. e adapt. portug. por Silvio Rebello. Lisboa: J. Rodrigues e C.ª ed.1927.

B.P.M. do Porto, ms. Nº 394, Remédios vários e alguns experimentados tirados de hum livro de manuscrito que tinha o Padre Francisco Mathias em Pombeiro no Ano de 1724. Disponível em: http://ler.letras.up.pt/uplaads/ficheiros/artigo3821.pdf.

Lima AP. As boticas do Dr. Alexandre Rodrigues Ferreira (fim do séc. XVIII). In: separata dos Anais da Faculdade de Farmácia do Porto. Vol. IX. Porto: Faculdade de Farmácia.1949.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Acta Farmacêutica Portuguesa - ISSN: 2182-3340