Células estaminais na regeneração da pele: aplicações terapêuticas e cosméticas

Ana Catarina Silva

Resumo


Tendo em conta a capacidade das células estaminais para se autorrenovarem e
diferenciarem em vários tipos de células do organismo, a sua utilização terapêutica torna-se interessante, por exemplo, ao nível da regeneração da pele. Nesse sentido, as células estaminais têm sido testadas para o tratamento/cicatrização de feridas originadas pela exposição ao calor e à radiação, bem como em úlceras diabéticas. A eficácia da utilização destas células tem sido demonstrada por vários investigadores, tendo-se verificado que promovem a reepitelização e a neovascularização, e reduzem a formação de cicatrizes, sem provocar respostas inflamatórias ou imunológicas. Também na área da cosmética tem sido observado o potencial das células estaminais, em particular, as células de origem vegetal, para retardar o processo natural de envelhecimento da pele, através da proteção das células estaminais autólogas e estimulação da sua proliferação.
No entanto, é necessário realizar mais estudos clínicos e procurar novos ingredientes ativos, de forma a poder concluir, com maior rigor, a eficácia destas aplicações.


Palavras-chave


Células estaminais mesenquimais, regeneração da pele, cicatrização de feridas, anti envelhecimento.

Texto Completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Acta Farmacêutica Portuguesa - ISSN: 2182-3340